Estela Sokol

Voltar a lista de artistas

Navegação

Bio

É intrigante pensar que os pontos de luz que vemos no céu numa noite estrelada vêm de objetos que talvez não existam mais. A luz viajou por muito tempo, chegou aqui, mas o corpo celeste que a emitiu, nesse ínterim, pode ter desaparecido. A luz é indício de uma estrela que havia ali. Houve. A luz é como o eco. Chega a nosso corpo trazendo notícia de um outro corpo, de um outro tempo.


Estela Sokol constrói objetos que emitem cor-luz naturalmente, sem fios, sem bateria, sem lâmpadas. É a pura cor que acende; indica que dentro de um objeto preto há um miolo amarelo que projeta na parede uma espécie de aura do objeto. Olhar para essas esculturas significa olhar para além da área de suas superfícies externas. É preciso observar o efeito que as peças causam no mundo; assim, perceber o lado de dentro, quase sempre escondido, mas que se faz presente por alterar a cor do chão ou da parede próxima ao objeto. O que a artista faz aqui é explicitar com cores fortes, cítricas, quase fosforescentes e com superfícies negras um fenômeno que em outras condições é tão discreto que se disfarça, imperceptível: o efeito de um corpo sobre o outro, a intersecção de cor e luminosidade entre dois corpos e o resultado dessa soma, sobreposição ou adjacência. Corpo aqui pode ser entendido como objeto escultórico, ou como qualquer outro corpo que talvez tenha aura, inclusive o corpo humano, que certamente emite luz e cruza-a com a luz de outros corpos humanos.


O ateliê de Estela Sokol é um laboratório de testes do grau de interferência de um corpo em outro, sempre usando a cor-luz para investigar o rastro que um corpo deixa sobre o outro e a importância de considerar o tempo para entender esses rastros. O que eu falo é rastro de um pensamento que aconteceu há alguns milésimos de segundo. A luz da estrela é rastro de um sol do passado. Tudo que temos é então só projeção, reflexo de um momento em que realmente algo aconteceu? Meu relógio perceptivo está sempre atrasado em relação a algo inapreensível em tempo real? As esculturas resultantes da pesquisa de Estela Sokol – mesmo as peças bidimensionais eu chamo de escultura porque são mais corpos do que imagens – me fazem entender tanto estrelas quanto meu corpo como instâncias de um mesmo princípio, vasto, geral e inapreensível, que é um atraso do captável em relação a certo acontecimento em si.


A noção de cor como luz e não como tingimento de superfície é rara, mas quando aparece vem de pontos luminosos na história da arte contemporânea como James Turrell, Dan Flavin e Hélio Oiticica, cujas obras reverberam o inapreensível. O trabalho de Estela Sokol rebate a luz desses artistas, mantém a pesquisa sobre a cor-luz – índice de algo mais – viajando no tempo até chegar a nossos corpos.


Paula Braga, 2011.

CV

ESTELA SOKOL
São Paulo, Brasil [Brazil], 1979
Vive e trabalha em [lives and works in] São Paulo, Brasil [Brazil]


Exposições Individuais [Solo Exhibitions]


2013
.Gelatina. Anita Schwartz Galeria de Arte, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]


2012
.Quadros e Esculturas. Zipper Galeria, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Se o deserto fosse laranja a coisa seria cor de rosa. Museu da Taipa, Macau [Macao], China


2011
.A Morte das Ofélias. Galeria Anita Schwartz, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]
.Secret Forest. Gallery 32, Londres [London], Inglaterra [England]
.Licht Konkret. Galerie Wuensch, Linz, Áustria [Austria]


2010
.Clarabóia. Paço das Artes, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Dawn for Interiours. Galeria Bisagra, Buenos Aires, Argentina


2008
.Sol de Inverno. Palácio das Artes, Fundação Clóvis Salgado, Belo Horizonte, Brasil [Brazil]


2007
.Halo. Galeria Virgílio, São Paulo, Brasil [Brazil]
.H.X-V². Funarte, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]


2006
.Meio Dia e Meia. Centro Universitário Maria Antonia, São Paulo, Brasil [Brazil]


2005
.WXRTD-320. Galeria Virgilio, São Paulo, Brasil [Brazil]


2003
.Lastro. Centro Cultural São Paulo, Brasil [Brazil]
.Gravuras. Galeria Professor Vicente Digrado, Faculdade de Belas Artes, São Paulo, Brasil [Brazil]



Exposições Coletivas [Group Exhibitions]


2015
.Intervenções Urbanas Bradesco ArtRio, Museu da República, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]
.Bienal Tridimensional Internacional, Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]


2014
.Prometheus Fecit – Terra, Água, Mão e Fogo. Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto, Portugal
.Éter. Anita Schwartz Galeria de Arte, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]


2013
.Além do ponto e da linha. MAC-USP, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Arte Contemporânea no Universo Bordallo. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal
.Norman Dilworth, Alistair Mcclymont and Estela Sokol. Marina and Susanna Sent in collaboration with Strand Gallery, Veneza, Italia [Italy] 
.Bordallianos do Brasil. OI!Futuro, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil] 
.What can we expect from color?. BYCR Gallery, Milão, Itália [Italy]


2012
.Percursos Contemporâneos. Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Múltiplos. Galeria Anita Schwartz, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]


2011
.XIV Leilão de Pratos para Arte. Associação Cultural de Amigos do Museu Lasar Segall, São Paulo, Brasil [Brazil]
.III Bienal del Fin del Mundo. Ushuaia, Argentina
.Mapas Invisíveis. Galeria Vitrine Paulista, Caixa Cultural São Paulo, Brasil [Brazil]
.Arte Lusófona. Memorial da América Latina, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba, Brasil [Brazil]
.Em Torno da Escultura. Galeria Anita Schwartz, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]
.Outras Perspectivas. Espaço Tex Prima, São Paulo, Brasil [Brazil]


2010
.Light Art Biennalle. Linz, Áustria [Austria]
.Silêncio. Zipper Galeria, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Além do Horizonte. Galeria Amarelo Negro, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]
.Anti. Cartel, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Vistas a Perder de Vista. Galeria Penteado, Campinas, Brasil [Brazil]
.Notas do Acervo. Galeria Anita Schwartz, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]


2009
.De Passagem. Galeria Mendes Wood, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Graphias. Memorial da América Latina, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Obra Menor. Ateliê 397, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Trajetórias em Percurso. Galeria Anita Schwartz, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]
.Nova Arte Nova. Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo, Brasil [Brazil]


2008
.Nova Arte Nova. Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil [Brazil]
.Depois. Galeria Professor Vicente Digrado, Faculdade de Belas Artes, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Sete paralelos. Casa do Olhar, Santo André, Brasil [Brazil]


2006
.34° Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto. Casa do Olhar, Paço Municipal de Santo André, Brasil [Brazil]
.Edital Revelação. Museu de Arte Contemporânea de Campinas, Brasil [Brazil] 


2005
.BR 2005. Galeria Virgílio, São Paulo, Brasil [Brazil]


2004
.BR 2004. Galeria Virgílio, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Outro Lugar. Galeria Virgílio, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Revelação. Museu de Arte Contemporânea de Campinas, Brasil [Brazil]
.Xilogravuras: Estela Sokol, Fernando Vilela e Fabrício Lopes. Tapa Galeria, Ribeirão Preto, Brasil [Brazil]
.Programa de Exposições do MARP. Casa da Cultura, Ribeirão Preto, Brasil [Brazil]


2003
.Programa de Exposições. Centro Cultural São Paulo, Brasil [Brazil]
.A Gravura Vai Bem, Obrigada! Galeria Virgilio, São Paulo, Brasil [Brazil]


2002
.Desvio. Funarte, São Paulo, Brasil [Brazil]
.Refração. SESC Araraquara, Brasil [Brazil]
.Ao Todo. Universidade Cidade de São Paulo, Brasil [Brazil]
.Entretantos. SESC Pompéia, São Paulo, Brasil [Brazil]


 

Exposições