Labirinto Sintrópico

Janaina Mello Landini

13/Ago/2016 – 10/Set/2016

Voltar a lista de exposições

Navegação

  • Press Release
  • Press Release

    Tema explorado pela artista mineira Janaina Mello Landini nos últimos anos, a arquitetura labiríntica volta a aparecer como eixo central de sua nova exposição na Zipper Galeria, em cartaz a partir do dia 13 de agosto. Depois de apresentar ano passado uma de suas instalações da série “Ciclotramas”, feitas com cordas que se desmembram em espessuras mínimas, desta vez a artista ocupa o espaço principal da galeria com um site-specific desenvolvido a partir de sua pesquisa sobre o que chama de “Labirintos Rizomáticos”. Utilizando pregos e fios, ela realiza uma conjunto especial de obras em cetim, que serão dispostas como uma única instalação. Intitulada "Labirinto Sintrópico”, a mostra tem curadoria da espanhola Marta Ramos-Yzquierdo. Nesta nova individual, a artista dá continuidade a uma investigação matemática que resulta na construção de perspectivas multifocais, anulando a construção tradicional. O cetim utilizado nas telas funciona como um elemento apurador: o material reflete a luz de acordo com a posição do olhar; à medida em que o espectador passa, a incidência luminosa altera os corredores e vãos criados pela perspectiva. No desenho resultante, as arquiteturas inventadas criam uma reflexão sobre as relações entre tempo e memória, na combinação do estudo arquitetônico e das técnicas manuais com as quais a artista trabalha. Janaina vem desenvolvendo trabalhos focados em labirintos nos últimos seis anos. No primeiro semestre deste ano, expôs no Palais de Tokyo, em Paris, um trabalho da série “Ciclotramas”, uma pesquisa paralela e complementar à dos “Labirintos Rizomáticos”. “As duas séries têm forte ligação com a arquitetura. As Ciclotramas interagem com ela se desdobrando numa trama labiríntica e hierárquica. Já os labirintos Sintrópicos e Rizomáticos usam a trama para representar uma arquitetura multidirecional, onde o olhar corre livre, entrando e saindo pelos caminhos sugeridos por este lugar”. A instalação criada para esta nova individual foi concebida também a partir da Sequência de Fibonacci, uma sucessão numérica, descrita no final século XII pelo italiano Leonardo de Pisa, que garantem as “proporções áureas” e aparecem na forma de diversos organismos vivos.

    Texto crítico

    None

    Catálogo