Exposições

[SÁBADO 15/03 - 15H ÀS 17H] BATE-PAPO COM GARAPA E ÁGATA

blog.Category.None

[SÁBADO 15/03 - 15H ÀS 17H] BATE-PAPO COM GARAPA E ÁGATA

Escala cromática, pigmento mineral em papel algodão, 300 x 160 cm, 2013

O ZIP'UP convida para uma sessão especial do filme DOBLE | CHAPA e bate papo com os coletivos Garapa e Ágata sobre a exposição Ficção Geográfica. Este sábado, dia 15/03, das 15h às 17h, na Zipper Galeria.


FICÇÃO GEOGRÁFICA


O coletivo formado em 2008 pelos jornalistas e fotógrafos Leo Caobeli, Paulo Fehlauer e Rodrigo Marcondes, tem como ponto de partida o factual: o acontecimento histórico, as relações entre culturas e países, o arquivo particular ou público. Embora imbuídos de contextos concretos, ultrapassam os seus sentidos originais e alcançam um território onde a dúvida impera sobre as certezas irrompidas pelas imagens e textos que compõem as obras. A Margem, Dissonante,vago, Calma e o inédito Doble Chapa são hipóteses sobre o real que se diluem entre provas reticentes, histórias imaginadas e personagens fictícios. Evidências titubeantes, irreais, mas nem por isso falsas. Capazes de provocar o interlocutor a suspeitar saudavelmente das imagens e a confiar mais na capacidade singular da ficção expressar a realidade das coisas.


Joan Fontcuberta diz que o real se funde com a ficção e que a fotografia pode “devolver o ilusório e o prodigioso às tramas do simbólico, que costumam ser finalmente as verdadeiras caldeiras onde se cozinha a interpretação de nossa experiência, isto é, a produção de realidade " . Ao mesmo tempo que a objetividade fotográfica perde sua força doutrinal, vive-se um mundo que, cada vez mais, se comunica por imagens. Parece ser extremamente necessário, portanto, perguntar-nos: então, que dose de confiança depositar nelas?


Ao procurar problematizar o que se entende por construção de realidade em diferentes trabalhos, a Garapa desenha uma pequena geografia de sua criação. Elege trabalhos que sobrepõem camadas, dissecam uma temática e rompem fronteiras, de gênero e de linguagem, já que explorar a imagem em suas potencialidades é parte fundamental da pesquisa do coletivo. Momento oportuno, inclusive, para trazer a público o seu primeiro filme. Produzido em parceria com o coletivo uruguaio Dokumental, Doble | Chapa discorre sobre a vida na fronteira entre o Brasil e o Uruguai, territórios separados por uma linha política e simbólica, mas que pouco faz sentido na vida cotidiana, na formação da identidade, nas relações entre as pessoas. Uma linha insistente que tenta apartar o que não se difere.


Ao tomar emprestado o termo de Euclides da Cunha, Ficção Geográfica questiona o caráter tangível da realidade e dos documentos, dispondo-os como construções, nesse caso, artísticas.


Ágata
Formado por Camila Martins, Juliana Biscalquin e Luciana Dal Ri, o Ágata é um encontro de afinidades. Um coletivo multidisciplinar que identificou na fotografia um vasto campo para a pesquisa e produção artística. Atualmente, o coletivo desenvolve uma pesquisa sobre o processo criativo de fotógrafos contemporâneos na residência em fotografia do LABMIS, no Museu da Imagem e do Som de São Paulo. Além de escrever a coluna Fissuras para a revista Old.

Notícias relacionadas

  • 30 de Janeiro de 2017 às 15:21

    Artistas da Zipper na CAIXA Cultural Rio de Janeiro

    Link para a notícia
  • 23 de Outubro de 2013 às 11:12

    JAMES KUDO | PINACOTECA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO

    Link para a notícia